Tipos de Aborto em hospital

Existem diferentes tipos de métodos de aborto em hospital que podem ser realizados em diferentes estágios de uma gravidez. Esta página detalha informações sobre cada um dos procedimentos.

O que é um aborto em hospital?

1/ Definição de aborto em hospital

O aborto em hospital é um método seguro e 99% eficaz para o aborto voluntário, ou gestão de abortos espontâneos, e é realizado em uma clínica ou hospital, por um profissional de saúde treinado. [1]

Durante o procedimento o médico utiliza instrumentos para abrir (dilatar) gradualmente o colo uterino, e depois utiliza um método de aspiração para remover a gravidez do útero. É provável que a mulher tenha cólicas durante o procedimento e pode haver algum sangramento intermitente durante vários dias ou semanas após o procedimento. [2]

2/ Os diferentes métodos de aborto em hospital

Existem vários métodos seguros de aborto em hospital que você pode escolher, e isso depende principalmente da idade gestacional da sua gravidez. Como há alguma sobreposição na idade gestacional para diferentes métodos de aborto, a decisão também pode ser baseada na localização geográfica, disponibilidade de equipamentos e preferência do provedor e da preferência pessoal. [1], [2]

  • Aspiração Manual Intrauterina (AMIU) é uma forma de aspiração uterina, e é tipicamente utilizada até às 14 semanas de gestação.
  • A aspiração elétrica a vácuo (EVA) é uma forma de aspiração uterina, e é frequentemente utilizada até às 15 semanas de gestação.
  • Os métodos de dilatação e evacuação (D&E) são comumente usados após 14 semanas de gestação
  • O aborto induzido quando usado, é tipicamente feito para gestações acima de 16 semanas de gestação
  • Dilatação e Curetagem (D&C) é um método de aborto ultrapassado e tem sido substituído em grande parte por métodos de aspiração uterina e dilatação e evacuação (D&E).

A safe2choose endossa o aborto por Aspiração Manual Intrauterina (AMIU) ou aborto por Aspiração Elétrica Intrauterina (AEIU) para gravidezes no primeiro trimestre ou no início do segundo trimestre, e fornece informações detalhadas a respeito destes métodos.

3/ O uso de anestesia no aborto no hospital

Existem vários tipos diferentes de anestesia que podem ser utilizados para o aborto no hospital, e qual método é utilizado dependerá muitas vezes da idade gestacional da gravidez, bem como da disponibilidade de agentes anestésicos na clínica. Os métodos anestésicos possíveis incluem [3]:

  • Anestésico local: Este é o tipo mais comum de anestésico utilizado para o aborto no hospital. É um medicamento anestésico injetado junto ao colo do útero para ajudar a aliviar o desconforto durante o procedimento. A mulher permanece acordada e totalmente alerta.
  • Sedação moderada/consciente: É um anestésico administrado diretamente em uma veia, e diminui ligeiramente o nível de consciência da mulher. Ela responderá aos comandos verbais.
  • Sedação profunda: Este é um anestésico administrado directamente numa veia, e diminui significativamente o nível de consciência da mulher. Ela responderá a comandos verbais repetidos.
  • Anestesia geral: Pode usar uma combinação de agentes anestésicos inalados ou injetados, e deixa a mulher inconsciente. Ela não responderá a comandos verbais.

O que é aborto por Aspiração Manual Intrauterina (AMIU) ?

A aspiração manual intrauterina (AMIU) é um método muito seguro de aborto para gravidezes no primeiro trimestre, e/ou no início do segundo trimestre até a 14ª semana de gestação [2]. O limite de idade gestacional para AMIU muitas vezes depende da clínica, assim como o profissional de saúde que realiza o procedimento.

A AMIU é realizada por um profissional treinado em uma clínica.

Durante o procedimento o médico utiliza instrumentos, incluindo um dispositivo de sucção silencioso, para remover a gravidez do útero [2]. A maioria das vezes esse procedimento é realizado com anestesia local enquanto a mulher está acordada, e normalmente leva entre 5 e 10 minutos. É provável que a mulher tenha cólicas durante o procedimento, e pode haver algum sangramento intermitente durante vários dias ou semanas depois. Mais detalhes podem ser encontrados aqui.

O que é aborto por Aspiração Elétrica Intrauterina (EVA) ?

Aspiração Elétrica a Vácuo (EVA ou AEIU) é um método seguro e muito semelhante à Aspiração Manual Intrauterina(MVA). A EVA pode ser utilizada em gestações no primeiro trimestre, e/ou no início do segundo trimestre. A AMIU é realizada por um profissional treinado em uma clínica.

Durante o procedimento o clínico utiliza instrumentos, incluindo uma aspiração elétrica a vácuo para remover a gravidez do útero.

A principal diferença entre AEIU e AMIU é que a eletricidade é usada para criar a sucção para remover a gravidez. Como a AMIU requer eletricidade, ela pode não estar disponível em locais com poucos recursos. Quando disponível, os clínicos podem usar este método de EVA, pois a idade gestacional aumenta após 10-12 semanas, pois permite ao clínico realizar o procedimento mais rapidamente do que a AMIU, diminuindo assim a duração do procedimento para a mulher. Outra diferença significativa é que há ruído associado à máquina de AMIU, pois ela utiliza eletricidade. [2]

O que é aborto por Dilatação e Evacuação (D&E) ?

Dilatação e Evacuação (D&E) é um método seguro de aborto tipicamente utilizado após 14 semanas de gestação. A disponibilidade de D&E depende das leis ou restrições relativas ao aborto em diferentes locais ao redor do mundo. Em alguns lugares a D&E pode estar disponível para mulheres que desejam abortar por qualquer razão, ou pode ser limitada às mulheres que procuram abortar por indicações de saúde muito específicas. Informações sobre as restrições ao aborto por local podem ser encontradas aqui.

Para D&E, o colo do útero é suavizado com agentes usados para ajudar na dilatação. Estes agentes são frequentemente administrados várias horas, ou mesmo dias, antes do procedimento. Um médico treinado então usa uma combinação de instrumentos e aspiração elétrica a vácuo (EVA) para remover a gravidez. A ultrassonografia pode ser utilizada durante o procedimento. Dependendo da semana da gravidez, medicamentos anestésicos e/ou sedativos locais podem ser usados para diminuir o desconforto da mulher durante o procedimento. [2], [3]

O que é Dilatação e Curetagem (D&C) ?

Dilatação e curetagem (D&C) é um método ultrapassado de aborto cirúrgico que tem sido em grande parte substituído por métodos de aborto por aspiração a vácuo. Este método não é mais recomendado.

Durante um D&C, o colo uterino é dilatado, e depois são usadas curetas afiadas para raspar as paredes do útero para remover a gravidez. Há um risco aumentado de complicações, assim como dor quando a D&C é realizada em comparação com a aspiração a vácuo. Por esta razão, a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que a D&C seja substituída por aborto por aspiração a vácuo, D&E ou aborto com pílulas sempre que possível. [2], [3]

O que é um aborto induzido?

Quando disponível, o aborto por indução é um método que pode ser usado durante o segundo ou terceiro trimestre de gravidez (normalmente após 16 semanas ou mais). Às vezes o aborto induzido é uma opção para o aborto eletivo, mas mais frequentemente é usado quando há preocupações com a saúde da mãe ou do feto, o que torna a interrupção da gravidez o mais seguro possível. As indicações para isso variam muito dependendo da localização geográfica e das respectivas leis e restrições.

Este método imita o trabalho de parto, ao usar medicação para causar dilatação cervical e contrações uterinas para expelir a gravidez. Como este método de aborto ocorre em gestações mais avançadas, é sempre feito em uma clínica ou hospital onde a mulher pode ser monitorada durante o procedimento. Tipicamente não requer instrumentação cirúrgica, mas a intervenção cirúrgica está freqüentemente disponível se necessário. Este método de aborto tardio é menos comum que o D&E, pois muitas vezes tem um tempo mais prolongado para sua realização. [2]

Quanto custa um aborto no hospital?

O custo de um aborto no hospital varia muito dependendo da: localização geográfica, disponibilidade de recursos para o aborto, localização do aborto (clínica ou hospital), e idade gestacional.

Os abortos no hospital são seguros?

O aborto no hospital é muito seguro quando realizado por um clínico treinado. As clínicas que oferecem abortos por sucção e cirúrgico devem seguir padrões e diretrizes estabelecidas por uma organização regional, e/ou pelas recomendações para aborto seguro produzidas pela Organização Mundial da Saúde (OMS). [2]

Estas diretrizes devem abordar itens incluindo (mas não se limitando a):

  • quem pode fornecer o aborto
  • gerenciamento de medicamentos
  • limpeza de equipamentos
  • gestão de resíduos biomédicos
  • treinamento e desempenho dos prestadores de serviços de saúde
  • etc.

As mulheres que procuram um aborto no hospital devem garantir que a clínica que ela escolher utiliza métodos de aborto seguros e aprovados.

O aborto em hospital é cerca de 99% eficaz. [1]

Quais são os riscos e complicações potenciais para o aborto no hospital?

Embora o aborto no hospital seja muito seguro, ainda há alguns riscos ao procedimento que incluem: sangramento intenso, infecção, lesão do útero e estruturas próximas, aborto incompleto, gravidez continuada e morte.

Estes riscos são muito pequenos quando o procedimento é realizado por um clínico treinado, mas são importantes de se conhecer quando se consente com um aborto cirúrgico ou por sucção. [2]

Quais são os efeitos colaterais do aborto no hospital?

Todos os métodos do aborto no hospital estão muito associados a fortes cólicas experimentadas pela mulher durante o procedimento. Muitas vezes essas cólicas vão melhorar rapidamente depois, mas algumas mulheres podem sentir cólicas durante alguns dias ou semanas.

A anestesia local é freqüentemente usada para os abortos por sucção ou cirúrgicos, e isto ajuda a anestesiar a área ao redor do colo uterino para aliviar algumas dores durante o procedimento. [2]

A maioria das mulheres vai sentir sangramento e cólicas durante e após um aborto no hospital. Também é comum experimentar muitas emoções diferentes após um aborto cirúrgico, todas válidas, e se a mulher sentir que precisa de ajuda adicional, ela deve procurar aconselhamento. [2]

O aborto no hospital é doloroso?

A dor mais comum associada aos abortos por sucção ou cirúrgicos é a forte cólica experimentada pela mulher durante o procedimento. Muitas vezes essas cólicas vão melhorar rapidamente depois, mas algumas mulheres podem sentir cólicas durante alguns dias ou semanas. A gravidade da dor muitas vezes depende da idade gestacional, assim como a tolerância à dor da mulher individual, pois todas as mulheres sentem a dor de forma um pouco diferente. [2]

Cuidados pós-aborto e contracepção após um aborto no hospital

Após um aborto no hospital seguro, muitas vezes é oferecida às mulheres uma visita de acompanhamento, e embora isso não seja necessário, cada mulher deve ouvir a recomendação do seu profissional de saúde.

Não há tempo medicamente comprovado que uma mulher tenha que esperar para fazer atividades específicas, incluindo: banho, exercício, sexo ou uso de tampões”. Geralmente é aconselhável que pelo menos até que o sangramento se alivie após o procedimento, a mulher deve: evitar introduzir objetos na vagina, incluindo tampões e copos menstruais, e evitar atividade física intensa. Cada mulher pode retornar às suas atividades normais como toleradas, e cada mulher será diferente.

Antes de deixar a clínica, as mulheres devem receber informações sobre métodos anticoncepcionais. A maioria das formas de contracepção pode ser iniciada imediatamente, no entanto, uma discussão deve ocorrer a respeito de cada mulher e sua escolha de método. As clínicas devem fornecer às mulheres informações de contato, caso elas tenham dúvidas ou preocupações após o aborto. [2]

As razões pelas quais as mulheres devem procurar atenção clínica incluem:

  • Hemorragia intensa (encharcamento completo de 2 absorventes por hora durante 2 horas seguidas ou mais)
  • Febres (>38C ou 100.4F) mais de 24 horas após o procedimento
  • Dores pélvicas graves e agravadas
  • Sinais contínuos de gravidez (aumento de náuseas, sensibilidade mamária, etc.) [2]

Para encontrar os métodos contraceptivos adequados à sua escolha, visite www.findmymethod.org

Autores:

pela equipe da safe2choose e especialistas de apoio da carafem, com base nas recomendações de 2019 da Ipas, e nas recomendações de 2012 da OMS.

carafem oferece atendimento conveniente e profissional ao aborto e planejamento familiar para que as pessoas possam controlar o número e o espaçamento de seus filhos.

O Ipas é a única organização internacional focada exclusivamente na expansão do acesso ao aborto seguro e à atenção contraceptiva.

A OMS é uma agência especializada das Nações Unidas responsável pela saúde pública internacional


Fontes

[1] Weitz, T. A., Taylor, D., Desai, S., Upadhyay, U. D., Waldman, J., Battistelli, M. F., & Drey, E. A. (2013). Safety of aspiration abortion performed by nurse practitioners, certified nurse midwives, and physician assistants under a California legal waiver. American Journal of Public Health, 103(3), 454-461. Retrieved from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3673521/

[2] World Health Organization (WHO). Safe abortion: technical and policy guidance for health systems, second edition. 2012. Retrieved from: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/70914/9789241548434_eng.pdf;jsessionid=F77B761669FC579124C1E9CA2CC3CFDB?sequence=1

[3] Ipas. Clinical Updates in Reproductive Health. 2019. Retrieved from: https://ipas.azureedge.net/files/CURHE19-april-ClinicalUpdatesInReproductiveHealth.pdf

última atualização em 16/10/2020

Estamos aqui para te apoiar no seu aborto durante o COVID-19.

Estamos acompanhando de perto a propagação do coronavírus a nível global e iremos atualizando nossas informações e serviços de acordo.

Aconselhamos as nossas leitoras a fazer o seguinte:

  1. Leia o nosso último post no blog sobre aborto e COVID-19
  2. Siga as diretrizes de segurança da OMS em relação ao COVID-19
  3. Contate as nossas conselheiras